Copacabana Runners

A frasqueira de Pandora: a verdadeira verdade sobre os antidepressivos

Ao abrir sua caixa, a mítica Pandora libertou as doenças no mundo. Felizmente, entre os vários males que escaparam, os deuses haviam colocado um consolo, a Esperança. E a Esperança nos fez acreditar que para todo mal existe uma cura: se Pandora tinha as doenças guardadas em uma caixa, ela certamente possuía uma frasqueira para guardar utensílios, cosméticos, duas aspirinas, uma caixa de antibióticos, a cura do câncer, etc.

Nas últimas décadas, as doenças mentais que escaparam da Caixa de Pandora vêm ganhando destaque, a ponto da maioria dos médicos concordar que o século XXI será o século dos transtornos da mente. Estamos relativamente bem aparelhados para lidar com a maioria das infecções, temos recursos paliativos para boa parte dos tumores malignos, mas a mente... ah, a mente... essa ainda dá um baile na gente. Não é de surpreender que a indústria dos antidepressivos movimente várias centenas de milhões de dólares por ano. Estamos vasculhando a frasqueira de Pandora em busca daquela única pílula capaz de sumir com todos os problemas e pintar o mundo novamente de azul e cor de rosa.

Foi neste contexto que, no final da década de 1980, os cientistas acharam ter descoberto algo. Há muito se sabia que a Serotonina, uma substância utilizada para transmitir informações entre os neurônios, estava envolvida com a sensação de bem estar e a percepção de "felicidade". Quanto mais serotonina no seu cérebro, mais você ri à toa. Quanto menos serotonina, mais segundas-feiras você encontra na sua semana. Em 1987, o lançamento da Fluoxetina inaugurou a era dos Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina - ou ISRS -, antidepressivos que agem diretamente sobre os níveis cerebrais de Serotonina. Não demorou muito para que a Fluoxetina fosse elevada à categoria de panacéia para toda sorte de tristeza e angústias - e virasse uma máquina de fazer dinheiro.

Entretanto, como qualquer bom casamento é capaz de provar, bastaram alguns anos de lua-de-mel para que os problemas começassem a surgir. Em junho de 2001, um júri nos EUA determinou que um certo antidepressivo da família dos ISRS foi o causador de uma crise psicótica em um homem. Durante o surto, o homem assassinou sua mulher, a filha e a neta, cometendo suicídio logo em seguida. A família processou o laboratório e ganhou a causa e uma indenização de 8 milhões de dólares. Outros casos se seguiram, e a cada dia mais e mais pessoas vêm acionando judicialmente médicos e companhias farmacêuticas por motivos similares: antidepressivos que matam.

Do meu ponto de vista, o problema teve início justamente com a propaganda em torno da expectativa de "felicidade-a-uma-pílula-de-distância". Isto fez com que os ISRS fossem recomendados para tudo quanto é tipo de queixa. Ah, você não dorme? Tome um antidepressivo. O quê, você dorme demais? Tome mais antidepressivo. Você não dorme nem fica acordado, muito pelo contrário? Tudo bem, tome montes de antidepressivos! Mas ei, os antidepressivos ISRS devem ser empregados dentro de critérios específicos de indicação. E principalmente: se utilizados em excesso, podem provocar acúmulos tóxicos de Serotonina no cérebro. 

Quando os níveis de Serotonina superam o tolerável, seu sistema nervoso começa a apresentar sintomas de envenenamento, incluindo tics nervosos, insônia, vertigens, alucinações, náuseas, disfunção sexual, sensações de "choques" pelo corpo, pensamentos e comportamentos auto-mutilantes, suicidas ou homicidas. Infelizmente, a maioria dos médicos e pacientes esquece de prestar atenção para este risco e não se mantém alerta para os sinais de que algo não vai bem - e que este algo pode ser um efeito colateral potencialmente grave do antidepressivo.

Você deve ter consciência de que não somos robôs. Ninguém é. Um pouco de angústia, tristeza e desânimo fazem parte da vida de cada um - lembre-se de agradecer à Pandora, certo? Se os sintomas depressivos que você apresenta sugerem baixos níveis cerebrais de Serotonina, existem vários recursos naturais e dietéticos que você pode empregar para tentar levantar seu humor ANTES de partir para o uso de drogas mais fortes. Além disso, lá no fundo, dependerá de VOCÊ - não de seu médico e certamente não de uma pílula - encontrar o caminho para superar as dificuldades desse mundo. Sua VONTADE sempre terá mais peso que qualquer receita tirada da frasqueira de Pandora.




Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Créditos:
© Dr. Alessandro Loiola
Dr. Alessandro Loiola é médico, escritor, palestrante e autor de Vida e Saúde da Criança e Obesidade Infantil (www.editoranatureza.com.br). Atualmente reside e clinica em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus

Artigos relacionados:
Transtornos de ansiedade - Tipos e tratamentos
Síndrome da tensão pré-menstrual - TPM
Sobre a Fibromialgia - o que é, causas, tratamento
Ansiedade - Diagnóstico e Tratamento
Distimia e depressão
Depressão e o Desejo Sexual
Depressão - Tipos
Depressão - Sintomas e causas
Depressão - Diagnóstico, tratamento com antidepressivos e psicoterapia
Alimentos para espantar Depressão - Triptofano, Folato, Camomila
Depressão infantil
Depressão em idosos
Depressão na terceira idade
Endorfina
Neurotransmissores serotonina, dopamina, noradrenalina e bem-estar
Obesidade e Serotonina
Promessas de Curas Milagrosas de Câncer, AIDS, Artrite, doença de Alzheimer
Gene ligado à depressão
Epilepsia - O que é, causas, tratamento
Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade em adultos
Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade em adolescentes
Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade - Tratamento
Sintomas de transtorno de déficit de atenção com hiperatividade em crianças
Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade
Crianças Hiperativas - Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade
Desenvolvimento da auto-estima
Fobia Social e Fobias Específicas com seus Tipos
Transtorno de ansiedade generalizada
Como tratar e controlar a ansiedade
Tratamento da ansiedade - Remédios e psicoterapia
Ansiedade - Sintomas e tipos
Timidez e Fobia Social
Clorodiazepóxido
Fluoxetina emagrece? Perda de peso e efeitos colaterais
Fluoxetina - Daforin ou Prozac
Transtorno Obsessivo Compulsivo - TOC
Neurose
Esquizofrenia - Causas
Esquizofrenia - Sintomas
Paranóia
Doença de Parkinson - O que é esse mal, sintomas tratamento
Alucinação - Alucinações visuais, auditivas - Causas e tratamento
Esquizofrenia paranóide
Esquizofrenia - Tratamento
Transtorno Bipolar - Sintomas, tratamento
Psicose - Sintomas e tratamento do psicótico
Psicopata e Psicopatia
Psicopatas
Esquizofrenia
Síndrome do Pânico - Tratamento, Sintomas
Síndrome do Pânico
Dislexia
Transtorno Bipolar ou Psicose Maníaco Depressiva
Raiva humana e animal
Doença meningocócica e meningite - Sintomas, transmissão e tratamento
Encefalite e Meningite
Paralisia cerebral
Síndrome de Asperger - O que é, sintomas, tratamento
Autismo
Rivotril - Clonazepam
Lexotan - Bromazepam
Valium ® - Diazepam
Ritalina - Metilfenidato
Sertralina - Zoloft
Atividade física e uso do cérebro podem regenerar neurônios
Exercícios Físicos e Depressão
Significado dos Sonhos
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar: