Bronquite e Exercícios Físicos

Uma dúvida que muita gente ainda tem ao se aventurar a praticar atividade física é com relação à bronquite. Quem tem pode fazer exercício? A atividade física pode ajudar na cura ou pode, ao contrário até provocar os famosos ataques? Vamos então aos fatos... 

Pra começar o sufixo "ite" significa inflamação. Sendo assim, bronquite trata-se de uma inflamação dos brônquios, especificamente da mucosa que reveste os brônquios e os bronquíolos e claro, quem a tem convive com a dificuldade de respirar. Quase sempre resultante de uma infecção do aparelho respiratório. O sujeito quando em crise culmina com a já conhecida asma que vem a ser o ponto da manifestação da doença.

PUBLICIDADE

Em geral, a causa está em bactérias tais como Streptococcus pneumoniae e o Haemophilus influenzae que podem ser combatidas com medicação específica ou hábitos de vida saudável, daí a vantagem dos exercícios físicos. 

Além dos hábitos de vida saudável o asmático deve evitar ficar exposto aos alergênios. Geralmente essas pessoas têm alergia à poeira, alguns tipos de perfume, fumaça de cigarro, livro velho e etc.

A bronquite parece não ter cura. Ou seja, as pessoas suscetíveis mantendo os bons hábitos, podem viver como se não tivesse a doença. Entretanto basta ficar exposto para a doença se manifestar. É como se as bactérias ficassem em estado latente nas vias aéreas do indivíduo. Portanto, o melhor tratamento é a prevenção. 

A respiração difícil, tosse persistente, dor no peito, febre, expectoração, sensação de angústia por falta de ar e etc. são as principais características. Essa situação pode ser agravada pelos fatores psicológicos. Ou seja, ao iniciar a manifestação de um ataque, a própria ansiedade pode ajudar no desenvolvimento da crise. Quem tem a doença, e já sabe como ela se manifesta, se tentar manter a calma, a crise pode ser menos forte. 

Geralmente o inverno é a estação do ano mais propícia para o desenvolvimento da doença, podendo se manifestar também no verão especialmente em dias quentes e secos. 

Dependendo de caso a caso, a bronquite pode se manifestar de forma branda até ao ponto máximo caracterizando uma asma. Existe ainda a forma de "asma induzida pelo esforço físico" tendo como conseqüência um aumento da perda de calor e água pelas vias respiratórias. Nesse caso costuma se manifestar alguns minutos após o esforço ou mesmo já durante o exercício dependendo da intensidade da atividade física mas geralmente desaparece espontaneamente de 20 a 40 minutos após ter começado. Esse fato é especialmente importante para os atletas em dias de competição. Toda a equipe deve ter especial atenção para manter o atleta longe dos estímulos à crise. A doença por si só não impede boas performances e grandes nomes já figuraram na elite Olímpica, entre eles o judoca Aurélio Miguel e o meio fundista Joaquim Cruz. Alguns medicamentos previnem a asma induzida por esforço mas devem ser prescritos somente por médicos que de acordo com a importância do evento sabe qual deles pode indicar sem risco de dopagem esportiva. 

PUBLICIDADE

De um modo geral as atividades aquáticas são as mais recomendadas em função da umidade da superfície e próximo às narinas. Isso não quer dizer que outras modalidades não possam ser praticadas. As aeróbias ao livre devem ser precedidas de um bom aquecimento visando aumentar de forma gradativa a freqüência cardíaca e principalmente a respiratória de tal forma que as vias aéreas recebam o ar aquecido, umidificado e filtrado tendo passado pelas narinas e mucosa nasal que exercem esse papel. Entretanto, durante as crises, pelo óbvio nenhuma atividade física deve ser praticada e como a passagem do ar torna-se difícil, o correto é, primeiro sair desse estado. 

Os exercícios físicos para os asmáticos, funcionam como remédio tendo como uma de suas características principais o aumento da ventilação nos alvéolos facilitando a passagem do ar mantendo todo a aparelho respiratório em bom estado. Logo, esse remédio gostoso deve ser administrado a vida toda. 

Alguns fatores já são bem estabelecidos e comprovados pela ciência quando se fala em ganho de massa óssea, como por exemplo as ações da gravidade e a muscular. São dois fatores distintos sendo o primeiro mais importante face algumas pesquisas citadas em artigo do Dr. José Maria Santarém: "Pessoas acamadas, mesmo realizando 4 horas diárias de exercício intenso em cicloergômetro, deitado de costas, não conseguiram reverter a perda óssea decorrente da inatividade. Por outro lado, pessoas nas mesmas condições, que conseguiram apenas ficar de pé por três horas diárias, impediram a perda óssea". 

Nas missões espaciais, um dos problemas enfrentados tem sido justamente a perda de massa óssea por falta da gravidade. Só fazer exercício nessas condições não tem sido a solução. 

Seis Regrinhas Simples de Convivência com a Doença: 

1. Estar ciente dos sintomas. 

2. Tomar medidas preventivas, consultar e seguir as orientações médicas. 

3. Adotar hábitos de vida saudável. 

4. Praticar atividades físicas de acordo com a preferência pessoal com moderação e bom senso. Se desejar competir procurar fazer sempre um aquecimento adequado e orientação profissional. 

5. Evitar atividade física quando estiver em crise ou infecção das vias respiratórias. 

6. Procurar manter a calma quando a crise se manifestar.

PUBLICIDADE



 


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus

Artigos relacionados:
Pneumonia - Prevenção e vacina
Pneumonia - Tratamento
Pneumonia - Diagnóstico
Pneumonia - Sintomas
Pneumonia - Causas
Pneumonia - Tipos
Pneumonia - O que é, grupos de risco, crianças e idosos
Pneumonia pneumocócica
Pneumonia
Difteria
Rinite
Alergia - Tipos de Alergias
Alergia alimentar - O que é, sintomas, ao leite, ovo
Alergia alimentar - Tratamento e vacinas
Alergia a Alimentos e Alimentar Infantil
Asma, exercícios físicos ansiedade, freqüência cardíaca
Asma - Causas do ataque, diagnóstico, tratamento
Derrame Pleural - O que é, diagnóstico, tratamento
Câncer Pulmonar - Tratamento
Câncer Pulmonar - Sintomas e Diagnóstico
Câncer Pulmonar - O que é, tipos, causas e prevenção
Câncer de Pulmão
Sinusite - O que é, causas, sintomas
Desvio de septo nasal
Sinusite - Diagnóstico, tratamento e prevenção
Por causa da obesidade pais vão enterrar seus filhos e não terão netos
Controlar o peso é preciso desde que a balança não vire paranóia
Corredor gordinho tem mais saúde que o magrinho sedentário
Elixir da vida longa é fazer exercício, comer pouco e meditar
Exercício físico na terceira idade - Benefícios
Benefícios dos exercícios físicos para idosos
Coqueluche
Tuberculose pulmonar, ganglionar e pleural
Tuberculose - Causa e infecção
Tuberculose - Sintomas
Tuberculose - Tratamento
Asma - Prevenção e causas
Asma - Sintomas
Tratamento de asma para crianças
Asma - Tratamento
Bronquite Aguda e Crônica
Bronquiolite - Causas, diagnóstico e tratamento
Bronquite - Sintomas, sinais e diagnóstico
Bronquite - Tratamento e prevenção
Tosse seca ou produtiva, noturna ou diurna - Tratamento
Tosse - Qual é o remédio?
Pólipos Nasais
Rinite vasomotora e alérgica - Sintomas, causas e tratamento
Alérgicos e dúvidas sobre alergia
Flebite e tromboflebite
Trombose venosa profunda
Doenças respiratórias - Sintomas, diagnóstico, tratamento e tipos
Embolia pulmonar
Falta de ar ou dispnéia
Doença pulmonar obstrutiva crônica - Tratamento
Doença pulmonar obstrutiva crônica - Sintomas, sinais e diagnóstico
Doença pulmonar obstrutiva crônica - Causas e fatores de risco
Doença pulmonar obstrutiva crônica
Enfisema pulmonar
Clenbuterol
Febre
Exercícios em casa
Poluição do ar - Poluição atmosférica e problemas de saúde
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo