Copacabana Runners

Câncer de Mama - diagnóstico e tratamento

Mamografia - CDC

Definição de câncer de mama 

O corpo é constituído de muitos tipos de células. Normalmente as células crescem, dividem e produzem mais células necessárias para manter o corpo saudável. Porém, algumas vezes esse processo dá errado e as células ficam anormais formando mais células de maneira descontrolada. Essas células extra formam uma massa de tecido, chamada tumor. O tumor pode ser benigno, o que significa que não é canceroso, ou maligno, que significa canceroso. O câncer de mama ocorre quando há formação de tumor maligno no tecido da mama.

O câncer de mama é uma das formas mais freqüentes de câncer entre mulheres, sendo mais comum entre as mais velhas. Homens também podem ter câncer de mama, porém respondem por apenas 1% dos casos relatados. 

Quando o câncer cresce no tecido da mama e espalha-se para fora as células cancerosas podem geralmente ser encontradas no gânglios linfáticos abaixo dos braços. 

Se o câncer alcançou esses gânglios, isso significa que pode ter se espalhado, ou metastizado, para outras partes do corpo. Quando o câncer espalha-se da sua localização original na mama para outras partes do corpo, como o cérebro, é chamado de câncer de mama metastático, e não câncer cerebral.

Câncer de mama não é contagioso e não é causado por lesão na mama. A maioria das mulheres que desenvolve câncer de mama não tem qualquer fator de risco ou histórico da doença na família. Hoje em dia mais mulheres estão sobrevivendo ao câncer de mama do que antes. Há várias formas de tratamento para o câncer de mama, mas todas elas funcionam melhor se a doença for diagnosticada cedo. Todos os dias pesquisadores trabalham para encontrar formas novas e melhores para detecção e tratamento do câncer. Com a detecção prematura e tratamento rápido e apropriado, as perspectivas para mulheres com câncer de mama podem ser positivas.

Teste e diagnóstico para o câncer de mama

A maioria dos cânceres nos seus estágios iniciais de melhor tratamento não causa qualquer sintoma. Por isso é importante fazer testes regulares para checar se há câncer bem antes de notar algum sintoma. Quando o câncer de mama é detectado mais cedo, as chances de sucesso no tratamento são maiores. Os testes para detecção precoce do câncer de mama incluem, entre outros, exames clínicos da mama e mamografia. Durante o exame clínico o médico checa a mama e região abaixo dos braços para detectar caroços ou outras alterações que possam ser sinal de câncer de mama. A mamografia é uma raio-x especial da mama. que geralmente pode detectar câncer muito pequeno para a mulher ou o médico sentir. 

O National Cancer Institute dos Estados Unidos dá a seguinte recomendação para a mamografia:
* Mulheres acima dos 40 anos devem fazer mamografia a cada um ou dois anos.
* Mulheres que têm o risco maior que a média para câncer de mama devem procurar orientação médica para saber se devem começar a fazer mamografia antes do 40 anos de idade e com que freqüência.

Entre 5 e 10% dos resultados da mamografia indicam anormalidade e requerem mais testes. A maioria dos testes subseqüentes confirmam que não há câncer presente. Caso seja necessário, o teste subseqüente mais comum é a biopsia. Esse é um procedimento no qual pequena quantidade de fluido ou tecido é removido da mama para diagnóstico.

Tratamento do câncer de mama

Há várias opções de tratamento para mulheres com câncer de mama. A escolha depende da idade, saúde geral, estágio do câncer, se ele se espalhou (metástase), entre outros fatores. Caso o câncer de mama tenha sido detectado, deve-se conversar com o médico e fazer a escolha do tratamento o mais cedo possível. Estudos mostram que tratamentos precoces levam a melhores resultados. Pessoas com câncer geralmente são tratadas por um grupo de especialistas que mantêm o médico principal informado sobre o progresso do paciente.

Os tratamentos padrões para o câncer de mama são:
* Cirurgia de remoção do câncer.
* Terapia hormonal para evitar que as células cancerosas obtenham os hormônios que precisam para crescer e sobreviver.
* Radioterapia que usa raios de alta energia para matar as células cancerosas.
* Quimioterapia que usa medicação anti-câncer para matar as células cancerosas.

Se a pessoa estiver nos estágios iniciais do câncer de mama, um tratamento comum é a lumpectomia combinada com radioterapia. A lumpectomia é uma cirurgia que preserva o seio da mulher, onde o médico remove apenas o tumor e pequena quantidade de tecido que o circunda. A taxa de sobrevivência para mulheres que escolhem a lumpectomia combinada com radioterapia é similar àquelas que fazem mastectomia que é a remoção total da mama.

Se o câncer se espalhou localmente -- apenas para outras partes da mama -- o tratamento pode envolver combinação de quimioterapia com cirurgia. O médico pode diminuir o tumor com quimioterapia e então removê-lo cirurgicamente. A diminuição do tumor antes da cirurgia pode evitar a mastectomia e preservar o seio. 

Caso o câncer tenha se espalhado para outros locais do corpo, como pulmão ou osso, a pessoa pode receber quimioterapia e/ou terapia hormonal para destruir as células cancerógenas e controlar a doença. Radioterapia também pode ser útil para controlar o tumor em outras partes do corpo.

Saiba mais:
Câncer de mama - Fatores de risco
Quadrantectomia e mastectomia - Cirurgias para câncer de mama
Cirurgia de reconstrução de mama - Reconstrução mamária com implante e com expansor de tecidos
Luta contra o Câncer - Alimentação e hábitos alimentares
Metástase - O que é câncer metastático e tratamento
Linfonodos sentinelas e axilares
Reposição hormonal e risco de câncer de mama
Mamografia - o que é, informações sobre mamografias
Radiografia médica - Usos, riscos e benefícios do raio-x



Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: © 2007 Helio Augusto F. Fontes
Texto: FHI - National Institute on Aging