Copacabana Runners

Ciclo da malária

Na natureza os parasitas da malária se espalham infectando sucessivamente dois tipos de hospedeiros: humanos e fêmeas dos mosquitos Anopheles. Em humanos os parasitas crescem e se multiplicam primeiro nas células do fígado e depois nas células vermelhas sanguíneas. No sangue, sucessivas gerações de parasitas crescem dentro das células vermelhas e as destroem liberando crias de parasitas (merozoítos) que continuam o ciclo ao invadir outras células vermelhas.

Esse estágio dos parasites da malária no sangue é aquele que causa os sintomas da doença. Quando certas formas de parasitas no estágio do sangue são pegos por uma fêmea do mosquito Anopheles durante uma picada para alimentação, elas começam outro diferente ciclo de crescimento e multiplicação no mosquito.

Depois de 10 a 18 dias os parasitas são encontrados nas glândulas salivares do mosquito. Quando o mosquito Anopheles pica outro humano, os parasitas são injetados na saliva do inseto e começa outra infecção em humanos quando esses entram nas células do fígado. Desta forma, o mosquito carrega a malária de um humano para outro, agindo com vetor. Diferente do hospedeiro humano, o mosquito não sofre com a presença do parasita da malária.

Hospedeiros humanos no ciclo da malária

Os humanos infectados com parasitas da malária podem desenvolver uma ampla gama de sintomas. Esses sintomas variam de infecções assintomáticas (sem doença aparente) até os sintomas clássicos da malária (febre, tremores, sudorese, dor de cabeça, dores musculares), chegando até complicações sérias (malária cerebral, anemia, insuficiência renal) que podem resultar em morte. A gravidade dos sintomas depende de vários fatores como o tipo de parasita e sistema imunológico da pessoa.

Parasitas da malária

Quatro espécies de parasitas da malária podem infectar humanos em condições naturais: Plasmodium falciparum, P. vivax, P. ovale e P. malariae. As primeiras duas espécies causam a maioria das infecções. O Plasmodium falciparum é o agente da malária severa potencialmente fatal. O Plasmodium vivax e P. ovale têm parasitas em estágio dormente que podem ser reativados (relapsos) e causar malária vários meses ou anos após a infecção pela picada do mosquito. Plasmodium malariae produz infecções de longo prazo que se não forem tratadas podem persistir sem sintomas por anos e até pela vida toda.

Mosquitos Anopheles no ciclo da malária

A malária é transmita para humanos pela fêmea dos mosquitos do gênero Anopheles. Os mosquitos fêmeas fazem refeição de sangue para a produção de ovos. Desta forma, essas refeições de sangue são a conexão entre os humanos e mosquitos no ciclo da malária. 

Das aproximadamente 430 espécies conhecidas de Anopheles, somente de 30 a 50 transmitem a malária na natureza. O desenvolvimento bem sucedido do parasita da malária no mosquito depende de muitos fatores. O mais importante é a temperatura ambiente e umidade (temperaturas mais altas aceleram o crescimento do parasita no mosquito), e se o Anopheles sobrevive tempo suficiente para permitir o parasita completar seu ciclo no hospedeiro mosquito.


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:




comments powered by Disqus

Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

Artigos relacionados:
Sintomas da malária sem complicações e severa
Giardíase - Infecção por Giárdia
Amebíase
Disenteria bacteriana e amébica
Síndrome hemolítico-urêmica - O que é, causas, sintomas, tratamento
Escherichia coli
Intoxicação por Salmonela - Salmonelose
Intoxicação Alimentar
Dor abdominal
Difteria
Botulismo
Dor de Barriga
Leptospirose - Sintomas, transmissão e tratamento
Leptospirose
Importância da Água
Desidratação, Calor e Exercícios Físicos
Perigos da desidratação
Água: importante e esquecida

Resfriado Comum - Informações sobre Resfriados
Tétano
Vacinas - Vacina conta Influenza, Anti-pneumocócica, Hepatite A B
Dor nas costas
Enxaqueca - Tratamento
Enxaqueca com áurea
Enxaqueca - Sintomas, áurea, causas, tratamento
Enxaqueca - Sintomas, tratamento, remédios, causas e alimentação
Dor de cabeça - Cefaléia tensional
Dieta e dor de cabeça - Enxaqueca e cefaléia
Dor Muscular nem sempre é ruim - Concentração de lactato
Dor Muscular nem sempre é ruim
Dor muscular tardia - dores musculares
Antiinflamatórios não-esteróides
Dipirona Sódica - Novalgina, Neosaldina, Buscopan Composto
Dor crônica
Dores nas costas - Hérnia
Dor Lombar
Hidratação - O que beber
Isotônicos - Quando e como usá-los
Leishmaniose visceral e cutânea
Doença do Sono - Tripanossomíase africana e trypanossoma
Doença de Chagas - Transmissão pelo barbeiro, diagnóstico
Doença de Chagas
Dengue
Toxoplasmose na gravidez
Toxoplasmose
Rotavírus
Febre Tifóide
Febre Amarela
Ânsia de vômito e corrida
Vômito e Náusea
Gripe Suína - Influenza A (H1N1) - Vacina, sintomas, como prevenir
Gripe suína e pneumonia invasiva
Sintomas da gripe suína
Gripe suína ou Influenza por vírus H1N1
Gripe suína
Malária
Icterícia em bebês recém-nascidos
Insuficiência respiratória - O que é, causas, sintomas, diagnóstico
Insuficiência respiratória - Tratamento
Edema pulmonar
Pneumonia - Sintomas
Pneumonia - Causas
Calafrios - O que são, causas
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: © 2009, Hélio Augusto Ferreira Fontes.
Texto: CDC - Centers for Disease Control and Prevention