Dieta de Atkins

Carne - National Cancer Institute Image Gallery

O Método Nutricional Atkins, conhecido popularmente como Dieta de Atkins, é uma dieta em moda, mas controversa, de muita proteína e gordura e pouco carboidrato, popularizada pelo Doutor Robert Atkins (1930-2003) numa série de livros começada por "Dr. Atkins' Diet Revolution".

PUBLICIDADE

Atkins recomendava restringir a ingestão de carboidratos para fazer com que o metabolismo do organismo troque o uso de glicose como combustível pela queima de gordura (tanto a gordura armazenada no corpo quanto a da dieta). Esse processo de lipolise começa quando o corpo entra no estado de cetose como conseqüência da falta de carboidratos para usar como combustível.

Para as primeiras duas semanas do programa da Dieta de Atkins (chamado Iniciação), o consumo de carboidratos é limitado a 20 gramas por dia, o que significa que as proteínas e gorduras irão, por necessidade, formar a maior parte da dieta. Para evitar problemas de saúde causados por deficiência de vitaminas e sais minerais durante esse período, os suplementos vitamínicos e minerais são uma parte essencial desta fase da dieta (clique aqui para pesquisar preços do livro Dieta de Atkins).

Depois do período inicial de duas semanas, a ingestão de carboidratos é aumentada gradualmente até alcançar uma nível no qual o indivíduo seguindo a dieta emagrece mais devagar e pode reduzir, ou eliminar, os suplementos alimentares. Quando o peso desejado for alcançado, os níveis de carboidratos são, mais uma vez, aumentados gradualmente até que o peso do indivíduo fique estável. Cada um desses níveis de ingestão de carboidratos varia de pessoa para pessoa. O doutor Atkins argumentava que muitas desordens alimentares são resultado da secreção excessiva de insulina, a qual causaria desejos de comer e níveis instáveis de açúcar no sangue. Atkins sustentava que sua dieta estabilizava os níveis de açúcar e insulina no sangue, eliminado assim a ansiedade de comer e geralmente reduzindo o apetite.

PUBLICIDADE

Pontos de visa a favor da Dieta de Atkins

Proponentes da Dieta de Atkins mencionam que as dietas de pouco-carboidrato têm sido objeto de debates acalorados nos círculos médicos por três décadas, mas ainda são "conhecimento maldito", tanto que, até recentemente, nenhum estudo sério foi feito sobre elas. Eles dizem que uns poucos projetos de pesquisa, assim como um grande número de evidências, têm mostrado que tais dietas ajudam o paciente a perder peso.

Um estudo feito pelo "Weight and Eating Disorders Program", na University of Pennsylvania, relatou em Maio de 2003 que a Dieta de Atkins elevou os níveis de HDL (ou "bom" colesterol) numa média de 11% e reduziu a quantidade de triglicerídeos na corrente sangüínea em 17%. No estudo, o nível do colesterol HDL dos indivíduos que seguiram uma dieta convencional aumentou somente 1,6% enquanto os níveis de triglicerídeos não melhoraram significativamente. A perda de peso também foi estatisticamente maior nos que seguiram a Dieta de Atkins depois de três e seis meses comparados com os indivíduos que seguiram uma dieta convencional (porém essa diferença não continuou estatisticamente significante depois de um ano). O estudo acompanhou as dietas de 63 homens e mulheres obesas. (veja New Scientist, 21de Maio de 2003). Dois outros estudos em larga escala estão planejados, sendo um financiado pelo fundação sem fins lucrativos Atkins.

Críticas à Dieta de Atkins

A Dieta de Atkins tem sido geralmente considerada, pela maioria dos especialistas em medicina e nutrição, como infundada e até mesmo charlatona. Os oponentes dizem que a perda de peso inicial que acontece ao seguir a Dieta de Atkins é um fenômeno comum à maioria das dietas, e se dá em virtude da redução do glicogênio e água acumulados nos músculos, e não por perda de gordura. Eles afirmam que não foi revelada nenhuma evidência que qualquer dieta cause emagrecimento a menos que reduza a ingestão de calorias a níveis menores que os gastos. Relatórios também têm indicado que os sucessos na perda de peso ao seguir a Dieta de Atkins são o resultado de menos calorias serem ingeridas, e não por causa da falta de carboidratos.

Dr. Robert Eckel, da American Heart Association, afirma que as dietas de muita proteína e pouco carboidrato colocam pessoas sob o risco de enfermidades cardíacas.

Outro argumento é que muitos países cuja dieta tradicional é rica em carboidratos e com pouca gordura (por exemplo o Japão), têm taxas de obesidade significativamente menores. Isso parece contradizer diretamente as afirmações do Doutor Atkins.

Saiba mais:
Dieta de Atkins, o doutor tinha ou não razão?
Dieta do dr. Atkins - Riscos e benefícios
Dieta das Proteínas
Dieta Dukan - O que é, fases, efeitos colaterais
Dietas da moda - dieta do atum e USP
Dieta de South Beach
Sem carboidrato a vida fica mais curta


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Livros:

Cique aqui para adquirir esse livro

Clique aqui para adquirir esse livro

Referência: 
New England Journal of Medicine: (vol 348, p 2082)

Créditos:
Tradução: © Hélio Augusto Ferreira Fontes.
Este artigo está licenciado sob a GNU Free Documentation License (www.gnu.org/copyleft/fdl.html). Usa material do artigo da Wikipédia "Atkins Nutritional Approach" (en.wikipedia.org/wiki/Atkins_Nutritional_Approach).