Dor nas costas

Dor nas costas - NIH

Uma grande parcela da população nos dias de hoje, convive com dor nas costas, resultado de má postura, inatividade física, posições incorretas no ambiente de trabalho, nos afazeres domésticos entre outros fatores associados incluindo, a execução errada de exercícios. Ou seja, a causa não é única. A lombalgia, dentre essas dores nas costas, é uma das queixas mais fortes e pode durar desde alguns dias até muitas semanas. 

Baseado no tempo de duração um pesquisador chamado Frymoyer, deu a ela uma classificação. Aguda se for menor que 6 semanas, mantendo-se por 12 semanas, subaguda e daí para frente já é um caso crônico.

PUBLICIDADE

Claro, os problemas não surgem da noite para o dia e a nossa coluna vertebral, assim como tem uma enorme capacidade de sustentar o peso corporal, distribuindo e dissipando as forças, também pode armazenar por anos a fio microtraumas. Um belo dia, num movimento aparentemente simples, como por exemplo pegar um pote de leite na geladeira, a surpresa de uma dor aguda nas costas irradiando pelas pernas. O tal simples ato, pode ter sido a gota d'água das agressões posturais silenciosas dia após dia. 

A grande maioria das pessoas hoje, trabalha sentada numa posição estática ou com movimentos repetitivos porém com amplitudes reduzidas e ambas as situações são prejudiciais. 

Sabe-se que o trabalho muscular estático pode provocar uma redução do fluxo sangüíneo proporcional à força de contração impedindo e ou prejudicando o transporte dos produtos metabólicos que vão se acumulando (Grandjean, 1971). O resultado disso, inicialmente é o desconforto na região lombar e a sensação de estar tudo endurecido. A contração estática ou isométrica a 60% da Força Máxima pode interromper totalmente o fluxo sangüíneo na região, situação não suportada por mais de um minuto. 

Sabemos também que cada segmento corporal tem um grau de amplitude máxima e as diversas partes da coluna vertebral não é diferente. Se não usamos regularmente... atrofia. Não significa dizer que se tivermos uma função laboral nos obrigando a usar a amplitude máxima, que estamos livres de problemas. No "outro lado da moeda", as articulações não suportam ser mantidas no limite máximo por longo período daí, a importância dos exercícios de flexibilidade, principalmente para as pessoas cuja função no trabalho seja estática ou tenha movimentos repetitivos por longo período. Os citados exercícios promovem, entre outros benefícios, a lubrificação das cápsulas articulares através do estímulo do líquido sinovial. Não adianta colocar óleo novo no motor. Tem que usar para lubrificar os componentes. 

Os problemas mais comuns na lombar, são a hérnia de disco e a osteofitose (bico de papagaio). 

PUBLICIDADE

Hérnia de Disco

Entre uma vértebra e outra, funcionando como uma almofada, lá está o disco intervertebral fazendo o amortecimento evitando que uma se choque contra a outra. É formada na sua parte externa pelo anel fibroso disposto em várias camadas concêntricas como se fossem as raias do cano de uma arma, em ângulos diferentes. Quanto mais central, maior o ângulo, fato que proporciona a resistência e a proteção do núcleo ou suco pulposo. Formado por uma substância gelatinosa, o suco pulposo é composto por 80% de água e o restante de mucopilissacarídeos, proteínas, sulfatos entre outras. Como se fosse uma bola pneumática suporta e distribui contra o anel fibroso a pressão de forma uniforme no sentido horizontal. 

Nos movimento de flexão e extensão do tronco, (inclinar para a frente e levantar), essa pressão aumenta no sentido contrário ao movimento. Ou seja, se a gente inclina pra frente a bolinha (suco pulposo) vai para trás. A sobrecarga devido a posturas incorretas do dia a dia, ou nos exercícios mau orientados pode levar o rompimento progressivo do anel fibroso gerando a tão famosa e dolorosa Hérnia de Disco porque o suco pulposo avança atingindo um dos ligamentos principais que passam na frente e atras do corpo das vértebras: ligamentos comum anterior e posterior. É quando dói. 

A pressão no disco intervertebral é maior a nível da coluna lombar e sacra devido o peso do corpo, a curvatura lombar e as forças vetoriais nessa região, mesmo sendo as vértebras lombares mais robustas. Calcula-se que o tronco, os membros superiores e a cabeça atinjam próximo da metade do peso corporal do indivíduo. A diminuição da espessura do disco intervertebral na região das L5 e S1 pode provocar o atrito no processo espinhoso e a longo prazo levar também a uma artrose, Não é incomum pessoas terem hérnia de disco acompanhada de uma artrose nessa região, males cujos diagnósticos podem se confundir.

Saiba mais:
Melhore sua postura para ter mais saúde
Dor nas costas: o que pode ser e o que fazer?
Dor nas costas - Fatores de risco, causas e como prevenir
Discectomia percutânea - Nova técnica permite retirar hérnia de disco
Dores nas costas - Hérnia
Dor Lombar
Lesões na musculação
Está faltando mais orientação na musculação - Prevenção de lesões
Encaixe do quadril não existe
Coluna vertebral
Hérnia de disco
O que você precisa saber sobre suas costas
Dores nas costas
Quando a corrida desorganiza o corpo - Desequilíbrios musculares e posturais
Escoliose


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo