Copacabana Runners

Hipoglicemia
Sintomas, Revertendo hipoglicemia aguda e prevenção

Hipoglicemia é o termo médico que refere-se ao estado patológico produzido pela quantidade de açúcar (glicose) no sangue menor que a normal. A hipoglicemia pode ocasionar uma variedade de sintomas e efeitos, mas os principais problemas surgem de um suprimento inadequado de glicose como combustível para o cérebro resultando em seu funcionamento prejudicado (neuroglicemia). Problemas de funcionamento do cérebro podem variar desde vago "sentir-se mal" até coma, e (raramente) dano cerebral permanente ou morte. Hipoglicemia pode surgir de várias causas e ocorrer em qualquer idade. As formas mais comuns de hipoglicemia severa e moderada ocorrem como complicação de tratamento para diabetes mellitus com insulina e medicamentos orais.

Endocrinologistas geralmente consideram os seguintes critérios para comprovar se os sintomas do indivíduo podem ser atribuídos à hipoglicemia:
1. Sintomas conhecidos como sendo causados por hipoglicemia.
2. Baixo nível de glicose no momento que os sintomas ocorrem.
3. Reversão ou melhora dos sintomas quando o nível de glicose volta ao normal.

Porém, nem todos aceitam esse critério sugerido de diagnóstico, e até o nível de glicose baixo o suficiente para definir hipoglicemia tem sido fonte de controvérsia. Para muito propósitos, níveis de glicose no plasma abaixo de 70 mg/dl ou 3,9 mmol/L podem ser considerados hipoglicêmicos. Embora 70 mg/dl (3,9 mmol/l) seja comumente citado como o limite mínimo de glicose normal, valores diferentes podem ser definidos como baixos o suficiente para diferentes populações, propósitos ou circunstâncias. O nível preciso de glicose considerado baixo o suficiente para definir hipoglicemia depende de: (1) método de medição, (2) idade da pessoas, (3) presença ou falta de sintomas, e (4) o propósito da definição.

Sinais e sintomas da hipoglicemia

As manifestações e sintomas de hipoglicemia podem ser divididos entre aqueles produzidos pelos hormônios (adrenalina e glucagon) ativados pela queda de glicose, e efeitos neuroglicopênicos produzidos pelo nível de açúcar no cérebro reduzido.

Manifestações adrenérgicas:
* Inquietação, ansiedade, nervosismo, tremor.
* Palpitações, taquicardia.
* Transpiração, sensação de calor.
* Palidez
* Pupilas dilatadas.

Manifestações de glucagon:
* Fome, barriga roncando.
* Náusea, vômito, desconforto abdominal.

Manifestações neuroglicopênicas:
* Julgamento prejudicado.
* Ansiedade, depressão, mal-humor, choro, medo de morrer.
* Negativismo, irritabilidade, beligerância, raiva.
* Mudança de personalidade.
* Fadiga, fraqueza, apatia, letargia, sono.
* Confusão, amnésia, tontura, delírio.
* Visão turvada ou dupla.
* Comportamento automático.
* Dificuldade de falar, pronúncia ininteligível.
* Falta de coordenação
* Déficit motor, paralisia, fraqueza muscular em um lado do corpo.
* Dor de cabeça.
* Estupor, coma, respiração anormal.
* Ataque apoplético.

Nem todas as manifestações acima ocorrem em todos os casos de hipoglicemia e não há ordem consistente para o aparecimento dos sintomas. Manifestações específicas variam de acordo com a idade da pessoa e severidade da hipoglicemia. Em crianças pequenas vômito geralmente acompanha a hipoglicemia matinal com cetose. Em crianças mais velhas e adultos a hipoglicemia moderadamente severa pode ocasionar mania e doença mental. Em idosos a hipoglicemia pode ocasionar efeitos de derrame localizado. Em recém-nascidos a hipoglicemia pode ocasionar irritabilidade, dificuldade de respirar, episódios de apnéia, suor, hipotermia, sonolência, recusa em alimentar-se. Os sintomas de um indivíduo tendem a ser similares de um episódio para o outro.

Quase sempre a hipoglicemia forte o suficiente para provocar ataque apoplético e inconsciência pode ser revertida sem danos aparentes para o cérebro. Casos de morte e dano neurológico permanente devido a um único episódio geralmente são devidos à inconsciência prolongada e sem tratamento, interferência com a respiração, outra doença concorrente grave ou algum outro tipo de vulnerabilidade.

Revertendo hipoglicemia aguda

A glicose no sangue pode ser elevada ao normal em minutos com 10-20 gramas de carboidratos tomados como bebida ou comida se a pessoa estiver consciente e capaz de engolir. Essa quantidade de carboidratos está presente em: 100-120 ml de suco de laranja, maçã ou uva; 120-150 ml de refrigerante comum (não-light), uma fatia de pão ou em torno de uma porção de alimentos com bastante amido. O amido é rapidamente digerido em glicose, mas adicionar gordura ou proteínas retarda a digestão. Os sintomas devem começar a melhorar dentro de 5 minutos, porém a recuperação total pode levar 10-20 minutos. Dar muita quantidade de alimentos não acelerará a recuperação, e se a pessoa tiver diabetes poderá ocasionar hiperglicemia posteriormente. Se a pessoa estiver sofrendo de efeitos tão fortes de hipoglicemia que não for capaz de ingerir nada pela boca, a glicose pode ser dada através de infusão intravenosa ou ser dada injeção de glucagon.

Prevenção de episódios de hipoglicemia

O meio mais eficiente de prevenir hipoglicemia depende da causa. O risco de episódios de hipoglicemia diabética pode ser reduzido ao abaixar a dose de insulina ou outros medicamentos, ou ao ter atenção mais meticulosa ao equilíbrio de glicose no sangue em ocasiões fora do comum como em caso de muito exercício físico ou ingestão de álcool. Muitos dos problemas metabólicos em recém-nascidos requerem carboidratos extra, ou evitar ou diminuir os intervalos de jejum. Vários tratamentos são usados para hipoglicemia hiperinsulinêmica dependendo da forma exata e severidade. Hipoglicemia devido a deficiências hormonais geralmente cessa quando o hormônio apropriado é reposto. Casos de hipoglicemia devidos a condições pós-cirurgicas são melhores tratados com alteração da dieta. Hipoglicemia reativa com baixos níveis de glicose pode ser evitada consumindo gorduras e proteínas com carboidratos, adicionando lanches ou reduzindo a ingestão de álcool.



Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus

Artigos Relacionados:
Diabetes tipo 1, 2 e gestacional
Circunferência da cintura e risco de diabetes
Resistência à insulina e pré-diabetes
Diabetes x Exercício Físico
Creatina e absorção de glicose
Comidas para diabéticos - Plano alimentar para diabetes
Dieta para diabetes - Alimentos e diabéticos
Diabetes tipo 1 - Alternativa de tratamento
Diabetes mellitus tipo 2
Hormônios
Carboidratos
Tabela de Índice Glicêmico - Carboidratos
A Barreira do 30 Km na Maratona
Carboidratos Complexos
Dieta das Frutas - Frutariana
Melhor horário para comer doces - Tabela de calorias
Cerveja dá barriga?
Recomendações Nutricionais para Atletas - Dieta e Nutrição
Carga Glicêmica
Controle glicêmico da diabetes com software
Diabetes insipidus - O que é, sintomas, diagnóstico
Diabetes - Sintomas e diagnóstico
Diabetes - Tratamento
Diabetes - Prevenção
Diabetes - Fatores de risco
Diabetes e pré-diabetes - O que é, sinais, tipos
Diabetes e doenças cardíacas
Diabetes
Exercícios Físicos e Diabetes
Mantendo a forma com diabetes - Exercícios físicos para diabéticos
Viver bem com diabetes
Diabete Infantil e Alimentação
Treino depois de festas
Ressaca
Hidroclorotiazida
LASIX ® - Diurético furosemida para edemas e hipertensão
Furosemida - Lasix ®
Ascite ou barriga d'água - Causas, tratamento
Diuréticos
Ânsia de vômito e corrida
Vômito e náusea
Metformina - Emagrece? Uso para diabetes e SOP
Glicose no sangue
Chás para emagrecer - Chá verde emagrece?
Gymnema sylvestre
Calafrios - O que são, causas
Causas da diabetes tipo 2
Diabetes tipo 1
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: © 2006, Hélio Augusto Ferreira Fontes.
Este artigo está licenciado sob a GNU Free Documentation License (www.gnu.org/copyleft/fdl.html). Usa material do artigo da Wikipédia "Hypoglycaemia" (en.wikipedia.org/wiki/Hypoglycaemia).