Copacabana Runners

Leptina e Obesidade

Há quase uma década que os cientistas sabem que a leptina tem um papel importante na queima de gordura. O problema é que até hoje não se descobriu o caminho que esse hormônio produzido por células adiposas faz pelo corpo, pista que é considerada fundamental para entender o seu funcionamento. 

Um novo estudo acaba de fornecer uma pequena – mas crítica – parte do “mapa rodoviário” da leptina. A pesquisa, que vem sendo conduzida nos Estados Unidos pela Escola Médica da Universidade de Brown, o Hospital Rhode Island, a Escola Médica da Universidade de Harvard e o Centro Médico Beth Israel Deaconess, foi publicada na edição on-line da Proceedings of the National Academy of Sciences e deve sair este mês de agosto na versão impressa da revista. 

Os pesquisadores descobriram que a leptina aciona a produção da forma ativa de um peptídio – o áMSH – no hipotálamo, a pequena área na base do cérebro que controla atividades importantes do organismo, como o apetite e o sono. Os cientistas envolvidos dizem que tal peptídio é um dos mais poderosos amplificadores de sinais metabólicos do corpo humano. Ele seria responsável pelo envio ao cérebro de mensagens rápidas e incisivas para a queima de calorias. 

As mensagens são em seguida enviadas a uma parte diferente do hipotálamo, onde outro peptídio é produzido e liberado. Isso estimularia a hipófise, que secreta um hormônio que, por sua vez, transmite a mensagem à tireóide, glândula responsável por importantes funções metabólicas. Uma vez ativada, a tireóide envia o chamado para as células do organismo aumentarem a produção de energia. 

Para chegar aos resultados obtidos, os pesquisadores estudaram mudanças químicas no cérebro de camundongos e ratos que receberam injeções de leptina. 

Segundo um dos cientistas responsáveis pelo estudo, o argentino Eduardo Nillni, da Universidade de Brown e do Hospital Rhode Island, entender como funciona a leptina pode ajudar na pesquisa por tratamentos contra a obesidade. “Se, de algum modo, por meio de um medicamento, pudermos aumentar a atividade do áMSH, será possível forçar o organismo a queimar mais calorias e a perder peso, o que pode ajudar a muita gente”, disse em comunicado da universidade. 

De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do governo norte-americano, 61% dos adultos do país são obesos ou estão acima do peso considerado ideal. Outro dado preocupante é que 13% das crianças e adolescentes estão seriamente acima do peso. A cada ano, 300 mil pessoas morrem de causas relacionadas à obesidade nos Estados Unidos. Segundo o CDC, o custo da epidemia foi estimado em US$ 117 bilhões em 2000.
Fonte: Agência Fapesp.



 

comments powered by Disqus

Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Artigos relacionados:
Leptina restaura fertilidade na mulher atleta
Emagrecer dormindo,
hormônio, obesidade, queimar mais calorias, perder peso
Tratamento da bulimia e anorexia - Perguntas e respostas
Compulsão alimentar na bulimia nervosa
Ortorexia nervosa
Compulsão alimentar
Transtornos alimentares
Alimentação das modelos
Transtorno Dismórfico Corporal - Anorexia, Drunkorexia, Bulimia, Vigorexia
Anorexia Alcoólica ou Drunkorexia
Anorexia e bulimia - Perguntas e respostas
Inibidores de apetite - Perigosa influência sobre o comportamento
Acomplia
Exercício, esporte ou tipo de ginástica para perder barriga