Proteja seu coração: medidas para reduzir seu risco cardíaco

Ame seu coração - NIH


As doenças cardiovasculares são uma das principais causas de morte no mundo. A boa notícia é que você pode tomar medidas para proteger e melhorar sua saúde cardíaca. Pesquisas mostram que você pode reduzir seu risco cardíaco simplesmente adotando alguns hábitos saudáveis.

PUBLICIDADE

Para proteger seu coração, a primeira medida é descobrir seus fatores de risco para doenças cardiovasculares, os quais são hábitos ou condições que o tornam mais susceptível a desenvolver uma doença. Fatores de risco também aumentam as chances de que uma doença existente piore.

Certos fatores de risco, como envelhecimento ou histórico familiar de doença cardiovascular, não podem ser mudados. Porém, você tem influência sobre alguns outros fatores de risco importantes, como pressão alta, colesterol elevado, fumo, excesso de peso, diabetes e sedentarismo. Muitas pessoas possuem mais de um fator de risco. Para proteger seu coração é melhor eliminar o máximo de fatores de risco, uma vez que eles tendem a potencializar os efeitos entre si.

Um estudo de larga escala da organização governamental norte-americana “National Institutes of Health” (NIH) destacou a importância de controlar os fatores de risco para doenças cardiovasculares. Cientistas descobriram que adultos de meia idade com um ou mais fatores de risco elevados, como pressão alta, tinham uma probabilidade muito maior de ter infarto do miocárdio, ou outro evento cardíaco, do que os com níveis ótimos de fatores de risco.

“Por exemplo, mulheres com pelo menos 2 fatores de risco mostraram ter probabilidade 3 vezes maior de morrer de doença cardiovascular do que aquelas como nenhum ou 1 fator de risco”, disse Dra. Susan B. Shurin, diretora da National Institutes of Health. “Você pode e deve fazer a diferença na sua saúde cardíaca conhecendo e controlando seus fatores de risco”.

Para acompanhar seus fatores de risco cardíacos, peça ao seu médico medir sua pressão e colesterol, e determinar sua faixa de peso saudável.

PUBLICIDADE

Quanto maior for seu nível de colesterol no sangue, mais elevado será seu risco para doenças cardiovasculares, como ataque cardíaco. O colesterol alto por si mesmo não causa sintomas, então você não sabe se ele está elevado se não fizer exame de sangue. Os exames de sangue rotineiros podem mostrar seu colesterol total e separar os níveis de LDL (colesterol “ruim”), HDL (colesterol “bom”) e triglicerídeos. Todas essas medidas tem relação com a saúde cardiovascular.

Pressão alta (hipertensão) é outro fator de risco importante para doenças cardiovasculares, como AVC e ataque cardíaco. Pressão alta é frequentemente chamada de “assassina silenciosa” porque, assim como o colesterol elevado, geralmente não apresenta sintomas. Pressão sanguínea acima de 120/80 mmHg eleva o risco para doenças cardiovasculares.

“Há evidência científica forte de que controlar colesterol elevado e pressão alta previne eventos cardíacos como ataque cardíaco”, diz Dr. Michael Lauer, especialista em doença cardíaca no NIH.

Seu peso é outro número importante para conhecer. Para descobrir se precisa perder peso para reduzir seu risco de doenças cardiovasculares, precisará calcular seu índice de massa de corporal (IMC). Use a ferramenta abaixo para calcular:

Sua altura:mcm. Seu peso:Kg 
O seu Índice de Massa Corporal é: 

Segundo a O.M.S., o índice normal é entre 18.5 e 25
Então, para sua altura o peso ideal é entre
:
Javascript de copacabana runners

Um IMC entre 25 e 29,9 significa sobrepeso, e de 30 para cima significa obesidade.

Depois, meça sua cintura. Uma circunferência de cintura maior que 89 cm em mulheres e 102 cm em homens eleva o risco para doenças cardiovasculares e outros problemas de saúde sérios. Afortunadamente, mesmo uma pequena perda de peso (entre 5% e 10% do seu peso atual) pode ajudar a diminuir o risco para doenças cardiovasculares. Para mais informações, leia o artigo: Peso e a medida abdominal da cintura.

Para controlar seu peso, é importante ter uma alimentação saudável e praticar atividade físicas.

Alimentação saudável inclui uma variedade de frutas, verduras, legumes e grãos integrais. Também é importante ingerir fontes de proteínas com pouca gordura, como carnes magras, frango, peixe, feijão e laticínios com redução de gorduras. Tente evitar gordura saturada, gordura trans, colesterol, sal e açúcar.

Atividade física regular é outra forma importante de reduzir o risco de problemas cadiovasculares e aproveitar muitos benefícios à saúde. Para tornar atividade física um prazer ao invés de um suplício, escolha as que gosta. Opções incluem caminhada rápida, jogging, dança, etc. Até subir escadas ao invés de pegar o elevador pode fazer diferença.

“Fazer pelo menos 2h30m por semana de atividade física de intensidade moderada pode diminuir seu risco de doença cardíaca, AVC, hipertensão e diabetes”, diz Dra. Diane Bild, epidemiologista cardiovascular no NIH.

Caso tenha diabetes, é importante manter o açúcar no sangue (glicose), sob controle. Em torno de 2/3 das pessoas com diabetes morrem em decorrência de doenças cardiovasculares. Caso esteja com risco para diabetes, mudanças na alimentação e nível de atividade física podem frequentemente prevenir ou retardar o seu desenvolvimento.

Caso seja fumante, a melhor coisa que pode fazer é parar de fumar. Pessoas que fumam têm até 6 vezes mais chances de sofrer ataque cardíaco em relação às não fumantes. O risco de ataque cardíaco aumenta com a quantidade de cigarros fumados cada dia.

A boa notícia é que largar o fumo reduz imediatamente o risco para doenças cardiovasculares, e os benefícios de parar de fumar continuam a crescer com o tempo. Depois de 1 ano de parar de fumar o risco para doenças cardiovasculares diminui pela metade.

Além de controlar seus fatores de risco, você deve estar alerta para certos sintomas e fazer check-ups médicos regulares. Sinais comuns de que algo está errado com seu coração incluem angina (dor no peito, ombros, braços, pescoço ou mandíbula), falta de fôlego, batimentos cardíacos irregulares (arritmia) e fadiga.

Saiba que os sintomas de ataque cardíaco podem variar de uma pessoa para outra. Caso já tenha tido ataque cardíaco, os sintomas podem não ser os mesmos se sofrer outro.

Finalmente, não se esqueça de que pode influenciar outras pessoas ao ser um exemplo. Você tem filhos ou netos? Caso siga um estilo de vida saudável é mais provável que eles sigam o seu exemplo. Uma vez que doenças cardíacas possam começar a se desenvolver na infância, uma das melhores coisas que pode fazer é ajudar suas crianças a construirem hábitos saudáveis.

Nunca é tarde para começar a tomar medidas para proteger seu coração. E também nunca é cedo demais. Comece hoje! Converse com seu médico sobre seus fatores de risco e crie um plano de ação. Ame seu coração!

Saiba mais:
Você sabe reconhecer os sintomas de um ataque cardíaco e AVC?
Doenças cardiovasculares - Tipos, fatores de risco, prevenção
Doenças cardíacas - Prevenção de doença cardíaca e seus tipos
Prevenção de doenças cardiovasculares
Fatores de risco, sinais e sintomas de um AVC
Pressão alta - Causas, prevenção e fatores de risco
Exercício físico e atividade física - Importância para a saúde
Colesterol alto e doença cardíaca
Ataque cardíaco - O que é, sintomas, prognóstico
Causas do ataque cardíaco e prevenção
Sintomas de ataque cardíaco
Diagnóstico e tratamento do ataque cardíaco
A vida depois do ataque cardíaco - Pacientes cardíacos
Infarto do miocárdio ou ataque do coração - Causas e fatores de risco
Pressão alta - Sintomas, diagnóstico e tratamento
Hipertensão, colesterol, doenças cardiovasculares e como baixar a pressão
Fumo de cigarro e doença cardíaca
Riscos de fumar para o coração e vasos sanguíneos
Gordura abdominal masculina e feminina
Consequências da obesidade
Animais de estimação podem te manter saudável?


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Tradução: copyright © 2014 por Helio Augusto Ferreira Fontes
Texto:
NIH - National Institutes of Health