Copacabana Runners

Atividade Física e Síndrome de Down

Uma novela de grande audiência explora atualmente o problema social da Síndrome de Down. De certa forma melhor informa às pessoas que as crianças portadoras da Síndrome podem, se estimuladas desde o nascimento, ter uma qualidade de vida muito melhor que no passado. Podem fazer inclusive atividade física desde que orientadas por profissionais especializados e/ou bem informados sobre as limitações e possibilidades de progresso.

O nome deve-se ao médico inglês Langdon Down que descreveu pela primeira vez em 1866 as características de uma criança portadora dessa síndrome.

Voltando lá para o nosso segundo grau, as crianças portadoras da síndrome apresentam 47 cromossomos no núcleo de cada célula ao invés dos normais 46 herdados do pai e da mãe sendo 23 de cada um. Os cromossomos contêm a herança genética e o extra localiza-se no par 21.

A identificação da criança com a síndrome é feita imediatamente após o nascimento, confirmando as probabilidades já sabidas durante a gestação através de exames feitos entre a 8ª e 11ª ou 14ª e 16ª semanas de gravidez respectivamente, amostra vilocorial e amniocentese. A ultra-sonografia e alfafetoproteína materna feitos durante a gestação também ajudam no diagnóstico. 

Para os profissionais que vão trabalhar com essas crianças é preciso conhecer muito bem as características físicas para melhor executar o seu trabalho, são elas: Olhos – pálpebras estreitas levemente oblíquas com prega de pele no canto interno chamadas de prega epicântica. Íris – pequenas manchas brancas chamadas de manchas de Brushfield. Cabeça – geralmente menor e a parte posterior levemente achatada. Boca – pequena e muitas vezes se mantém aberta com a língua projetando-se para fora. Mãos – curtas e largas. Musculatura – de modo geral mais flácida. Orelhas - pequenas e conduto auditivo estreito. Dedos dos pés – geralmente curtos com espaço maior entre o dedão e o segundo dedo. Algumas crianças têm pés chatos.

É importante lembrar que não existem diferentes graus de Síndrome de Down. As crianças maiores vão ser mais ou menos desenvolvidas de acordo com as oportunidades dadas pela sociedade durante o seu crescimento. Elas se desenvolvem de maneira bastante semelhante às crianças normais, porém com um ritmo um pouco mais lento.

Entre os profissionais de saúde da equipe multidisciplinar o fisioterapeuta e o de Educação Física cuidarão do desenvolvimento psicomotor em cada etapa. A hipotonia é uma característica presente desde o nascimento e tem origem no sistema nervoso central afetando toda a musculatura e os ligamentos. Espontaneamente tende a diminuir com o passar dos anos, mas essa recuperação pode ser acelerada com estímulos adequados desde o nascimento. Como toda criança, as portadoras da Síndrome irão controlar a cabeça, rolar, sentar, arrastar, engatinhar, ficar de pé, andar, correr, saltar e arremessar, exceto se tiver outro problema além da Síndrome de Down. Elas irão brincar e explorar toda variedade de movimento dominando o equilíbrio, a postura, a coordenação motora e a noção espacial desde que tenham espaço. Portanto, as crianças com Síndrome de Down precisam de cuidados, não de exageros a ponto de deixá-las isoladas do mundo.

Esse trabalho psicomotor, segundo orientação do Ministério da Saúde encaminhado aos profissionais, deve enfatizar: o equilíbrio, a coordenação de movimentos, a estruturação do esquema corporal, a orientação espacial, o ritmo, a sensibilidade, os hábitos posturais e os exercícios respiratórios. As brincadeiras na areia com diversos tipos de material estimulam a sensibilidade e a criatividade. Outras brincadeiras comuns na infância tais como pular corda, jogar amarelinha, jogos de imitação, brincadeiras de roda, subir em árvores, caminhadas longas, brincar no parque no balanço, escorregador e gangorra fazem parte do estímulo psicomotor global. Claro, tudo tem que ser acompanhado de perto, mas sem interromper a criatividade e a audácia da criança. A interferência só deve existir quando houver risco à saúde ou de vida, mesmo porque não dá para prever o quanto cada uma irá desenvolver. Erroneamente no passado essas crianças eram rotuladas como deficientes mentais e hoje se sabe que elas apenas têm um desenvolvimento mais lento. Elas devem ter acesso à atividade física regular, porém como, a gente fica sabendo na parte II.




Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

comments powered by Disqus

Artigos Relacionados:
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte II
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte III - dados e os fatos
Síndrome de Down e Atividade Física - Parte IV
Síndrome de Down
Corrida durante a gravidez
Coração de Mãe
Reduzir o risco de doença cardíaca e aspirina
Riscos de doenças cardíacas
Hipertireoidismo
Exame TSH
Hiperparatireoidismo
Síndrome de Cushing - O que é, causas, sintomas e tratamento
Hiperplasia adrenal congênita - O que é, causa, sintomas, tratamento
Transtornos das glândulas adrenais - Síndrome de Cushing, hiperplasia adrenal congênita, tumores pituitários
Bócio - Causas, tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas
Hipotireoidismo - Sintomas e tratamento
Hipotireoidismo - O que é, causas, sintomas, gravidez e tratamento
Hipoparatireoidismo - O que é, causas, sintomas, tratamento
Tireoidite de Hashimoto - O que é, sintomas, tratamento
Hipotireodismo - glândula tireóide, causas, sintomas, tratamento
Tiróide - Hipotiroidismo e Hipertiroidismo
Doença de Alzheimer e fisioterapia
Ômega 3 pode prevenir mal de Alzheimer
Leucemia - o que é, sintomas, tipos, causas, tratamento
Saúde da criança e escolhas saudáveis
Depressão infantil
Cães ajudam jovens com síndrome de down
Recomendações para a prática de atividade física
Importância e benefícios da atividade física na saúde
Atividade física regular e controle de peso
Exercícios físicos e emagrecimento
Epilepsia - O que é, causas, tratamento
Por causa da obesidade pais vão enterrar seus filhos e não terão netos
Controlar o peso é preciso desde que a balança não vire paranóia
Corredor gordinho tem mais saúde que o magrinho sedentário
Elixir da vida longa é fazer exercício, comer pouco e meditar
Exercício físico na terceira idade - Benefícios
Benefícios dos exercícios físicos para idosos
Raiva humana e animal
Doença meningocócica e meningite - Sintomas, transmissão e tratamento
Encefalite e Meningite
Paralisia cerebral
Síndrome de Asperger - O que é, sintomas, tratamento
Autismo
Ultrasom Terapêutico e Fisioterapia
Ultra-sonografia
Atividade física e uso do cérebro podem regenerar neurônios
Exercícios Físicos e Depressão
Deficiência mental e Síndrome do X frágil
Gravidez ectópica e tubária
Exercícios físicos e atividade física na gravidez
Anencefalia
Icterícia em bebês recém-nascidos
Síndrome de Menkes
Distrofia muscular de Duchenne - O que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento
Síndrome do X frágil - O que é, sintomas, tratamento
Fenilcetonúria - O que é, sintomas, tratamento, dieta
Síndrome de Rett - Causa, sintomas, tratamento
Síndrome de Prader-Willi - O que é, sintomas, tratamento
Defeitos do tubo neural - Espinha bífida e anencefalia
Persistência do canal arterial - O que é, causas, sintomas, tratamento
Defeito cardíaco congênito - Sintomas e tratamento
Defeitos cardíacos congênitos - O que são, tipos
Defeitos de Nascença - O que são, chances de ter
Defeitos de Nascença - Genética, consumo de álcool, drogas e cigarro
Exercícios em casa
Causas da leucemia e fatores de risco
Dinâmicas de Grupo e Atividades Recreativas para Crianças e Adolescentes
Hábitos de vida saudável
Vencer a si mesmo no esporte
Criança esperta não engorda e nem vira adulto problema
Criança não é adulto em miniatura para fazer musculação - Treinamento de força
Psicomotricidade das crianças
Treinamento aeróbio das crianças
Musculação para pessoas com necessidades especiais
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Visite www.noticiasdocorpo.com.br e http://www.saudeviver.com.br/saudeviver/?id=26
Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 3529