Copacabana Runners

Terapia por ondas de choque
Meio fundista volta às pistas após curar lesão com terapia por ondas de choque

Raio-x de pessoa com gota - NIH

Depois de cinco meses de tratamento, 18 sessões de fisioterapia e muitos antiinflamatórios, o corredor meio fundista José Ribeiro Rocha decidiu investir no tratamento com a Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea. O resultado não poderia ter sido melhor. Após três aplicações, o atleta já treina leve sem apresentar nenhuma dor.

Ribeiro explica que o problema começou após um período de treinos e competições nos quais utilizou um tênis muito baixo. A lesão no tendão de Aquiles chegou a dificultar até as caminhadas. 

O acesso à Terapia veio por indicação do treinador, José Luiz, que orienta Ribeiro e treina os atletas do São Paulo Futebol Clube. “Conheci os doutores Rubens Rodrigues e Maurício de Moraes e não tive dúvidas em recorrer ao tratamento. O mais impressionante é a rapidez dos resultados”, comenta Ribeiro.

De acordo com os especialistas, o atleta chegou ao consultório apresentando um quadro de dor na inserção do tendão, que o impossibilitava de correr. Como se tratava de uma dor crônica, a equipe baseada nos elevados índices de sucesso registrados na aplicação da Terapia, que chegam a 85%, optou pelo tratamento.

Ribeiro foi submetido ao “protocolo” do normal procedimento que é de três sessões com intervalo semanal entre cada uma. “Ele está liberado para treinamento leve. A grande vantagem da Terapia é que as indicações são precisas, ou seja, pessoas que não melhoram com o tratamento habitual e que apresentam os sintomas há mais de três meses. Os resultados são comparáveis aos do tratamento cirúrgico, com a vantagem da não invasão e de poucos efeitos indesejados”, explica o doutor Maurício de Moraes.

De volta aos treinamentos, Ribeiro, que representa o município de Taboa da Serra no atletismo, está se preparando para o Jogos Regionais, que deverão acontecer em Cotia no mês de julho. “Fiquei curado e acho que o método deve servir de incentivo para outros atletas que estão lutando há tempos para superar algumas lesões”.

A Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea é aplicada ao Sistema Músculo-Esquelético e atua através de ondas de alta energia no local da origem da dor, acelerando a evolução das patologias. Os especialistas explicam que nos caso dos atletas, o retorno às atividades esportivas é variável, e que estudos feitos em atletas profissionais indicam um retorno, em alguns casos, apenas dois meses após a aplicação da terapia.

A Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea é não-invasiva, explica o Dr. Rubens Rodrigues. “Não há cortes, nem efeitos colaterais importantes. Apenas uma vermelhidão no local”.

A técnica pode ser aplicada no tratamento de esporão de calcâneo (fascite plantar); cotovelo do tenista; fraturas de stress e em fraturas que não consolidam. Pesquisas realizadas, principalmente na Áustria e Alemanha, mostraram que o tratamento tem oferecido boas chances de evitar infiltrações locais, fisioterapia prolongada e procedimentos cirúrgicos associados.

O paciente é submetido a duas ou três sessões com intervalos semanais em hospital, no entanto, não há necessidade de internação. O procedimento tem duração de cerca de 20 minutos, e a geração de ondas de choque mecânicas estimulam a microcirculação local. Os médicos explicam que os pacientes costumam avaliar o procedimento como desconfortável, porém bastante tolerável.

Os níveis de aplicação do tratamento variam de acordo com o problema, explicam os ortopedistas. Nas doenças tendinosas, por exemplo, utilizam-se níveis moderados de energia, com o objetivo de ativar a circulação local e o bloqueio da dor.

Nas calcificações do Ombro e Articulações, aplicam-se níveis mais elevados para fragmentação e reabsorção pelo estímulo vascular. Em pseudoartroses Ósseas utilizam-se altos níveis energéticos para estimular a multiplicação das células.

O uso de ondas de choque é contra-indicado nos pacientes com infecção local, tumores, diabetes e distúrbios vasculares e também em gestantes. Para realizar a aplicação das ondas, o médico utiliza-se de um aparelho de radioscopia para localização da área a ser atingida, sendo necessária, em casos específicos, a anestesia local.

No Brasil, os dois ortopedistas estão entre os pioneiros na implantação do procedimento, e garantem que são altas as chances de melhora e com baixos riscos, comparado com tratamentos convencionais e cirúrgicos.

Saiba mais:
Lesões comuns nos pés dos corredores
Cotovelo de Tenista ou Epicondilite Lateral
Tendinite e Bursite
Proteja os seus tendões: prevenindo a dor da tendinite
Inflamação nas articulações
Voltar a correr depois de um fratura por estresse
Dicas para evitar lesões típicas em corredores
Lesões na perna
Método Rice de Tratamento de lesões





Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Ana Azevedo - AZM Comunicações – (11) 3825-0656
Os médicos ortopedistas Maurício de Moraes e Rubens Rodrigues são Membros Titulares da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Consultório: (11) 3885-7082/3887-3953

Dr. Maurício de Moraes
Dr. Maurício de Moraes

Dr. Rubens Rodrigues
 Dr. Rubens Rodrigues