Copacabana Runners

Terapia por ondas de choque
Meio fundista volta às pistas após curar lesão com terapia por ondas de choque

Depois de cinco meses de tratamento, 18 sessões de fisioterapia e muitos antiinflamatórios, o corredor meio fundista José Ribeiro Rocha decidiu investir no tratamento com a Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea. O resultado não poderia ter sido melhor. Após três aplicações, o atleta já treina leve sem apresentar nenhuma dor.

Ribeiro explica que o problema começou após um período de treinos e competições nos quais utilizou um tênis muito baixo. A lesão no tendão de Aquiles chegou a dificultar até as caminhadas. 

O acesso à Terapia veio por indicação do treinador, José Luiz, que orienta Ribeiro e treina os atletas do São Paulo Futebol Clube. “Conheci os doutores Rubens Rodrigues e Maurício de Moraes e não tive dúvidas em recorrer ao tratamento. O mais impressionante é a rapidez dos resultados”, comenta Ribeiro.

De acordo com os especialistas, o atleta chegou ao consultório apresentando um quadro de dor na inserção do tendão, que o impossibilitava de correr. Como se tratava de uma dor crônica, a equipe baseada nos elevados índices de sucesso registrados na aplicação da Terapia, que chegam a 85%, optou pelo tratamento.

Ribeiro foi submetido ao “protocolo” do normal procedimento que é de três sessões com intervalo semanal entre cada uma. “Ele está liberado para treinamento leve. A grande vantagem da Terapia é que as indicações são precisas, ou seja, pessoas que não melhoram com o tratamento habitual e que apresentam os sintomas há mais de três meses. Os resultados são comparáveis aos do tratamento cirúrgico, com a vantagem da não invasão e de poucos efeitos indesejados”, explica o doutor Maurício de Moraes.

De volta aos treinamentos, Ribeiro, que representa o município de Taboa da Serra no atletismo, está se preparando para o Jogos Regionais, que deverão acontecer em Cotia no mês de julho. “Fiquei curado e acho que o método deve servir de incentivo para outros atletas que estão lutando há tempos para superar algumas lesões”.

A Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea é aplicada ao Sistema Músculo-Esquelético e atua através de ondas de alta energia no local da origem da dor, acelerando a evolução das patologias. Os especialistas explicam que nos caso dos atletas, o retorno às atividades esportivas é variável, e que estudos feitos em atletas profissionais indicam um retorno, em alguns casos, apenas dois meses após a aplicação da terapia.

A Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea é não-invasiva, explica o Dr. Rubens Rodrigues. “Não há cortes, nem efeitos colaterais importantes. Apenas uma vermelhidão no local”.

A técnica pode ser aplicada no tratamento de esporão de calcâneo (fascite plantar); cotovelo do tenista; fraturas de stress e em fraturas que não consolidam. Pesquisas realizadas, principalmente na Áustria e Alemanha, mostraram que o tratamento tem oferecido boas chances de evitar infiltrações locais, fisioterapia prolongada e procedimentos cirúrgicos associados.

O paciente é submetido a duas ou três sessões com intervalos semanais em hospital, no entanto, não há necessidade de internação. O procedimento tem duração de cerca de 20 minutos, e a geração de ondas de choque mecânicas estimulam a microcirculação local. Os médicos explicam que os pacientes costumam avaliar o procedimento como desconfortável, porém bastante tolerável.

Os níveis de aplicação do tratamento variam de acordo com o problema, explicam os ortopedistas. Nas doenças tendinosas, por exemplo, utilizam-se níveis moderados de energia, com o objetivo de ativar a circulação local e o bloqueio da dor.

Nas calcificações do Ombro e Articulações, aplicam-se níveis mais elevados para fragmentação e reabsorção pelo estímulo vascular. Em pseudoartroses Ósseas utilizam-se altos níveis energéticos para estimular a multiplicação das células.

O uso de ondas de choque é contra-indicado nos pacientes com infecção local, tumores, diabetes e distúrbios vasculares e também em gestantes. Para realizar a aplicação das ondas, o médico utiliza-se de um aparelho de radioscopia para localização da área a ser atingida, sendo necessária, em casos específicos, a anestesia local.

No Brasil, os dois ortopedistas estão entre os pioneiros na implantação do procedimento, e garantem que são altas as chances de melhora e com baixos riscos, comparado com tratamentos convencionais e cirúrgicos.




Artigo Relacionado:
Dicas para evitar lesões típicas em corredores
Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2004 por Ana Azevedo - AZM Comunicações – (11) 3825-0656
Os médicos ortopedistas Maurício de Moraes e Rubens Rodrigues são Membros Titulares da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Consultório: (11) 3885-7082/3887-3953

Dr. Maurício de Moraes
Dr. Maurício de Moraes

Dr. Rubens Rodrigues
 Dr. Rubens Rodrigues