Copacabana Runners

Correndo no mesmo lugar
Correr na esteira ergométrica é bom ou ruim?

Há algum tempo, esteira rolante era sinônimo de consultório cardiológico, assim mesmo, com muitas limitações.

Primeiramente surgiram as esteiras mecânicas, um verdadeiro trambolho que acabava ficando encostada num canto qualquer até mesmo nas academias. Isso porque exigia um esforço danado pra gente puxar o tapete numa ação mecânica antinatural sacrificando principalmente os músculos gastrocnêmios (batata da perna) e o tendão de Aquiles.

Aí , como tudo na vida evolui, logo logo houve um repentino avanço nas esteiras rolantes. Motorizadas, velocidade e inclinação variáveis, mais largas e mais longas, mesmo a preços nada convidativos invadiram as melhores academias e hoje temos modelos caseiros de boa qualidade e dobráveis.

A meu ver as esteiras oferecem muitas vantagens sejam quais forem os objetivos das pessoas: fitness, estética, qualidade de vida ou treinamento esportivo.

Muita gente gosta de caminhar mas o tempo disponível por vezes fica inviável, seja porque as ruas já estão cheias, pode estar muito calor, à noite pode ser perigoso ou mesmo no caso das mulheres podem ser vítimas de piadinhas sem graça. Outro inconveniente que está se tornando um problema sério, são os cachorros abandonados nas ruas. Já houve casos de corredores serem mordidos durante seus treinos. Bom, vamos ser então otimistas porque existem em algumas cidades brasileiras pessoas de boa vontade que recolhem esses animais, tratam deles e depois fazem doação.

Vamos voltar para as esteiras... Nela pode-se fazer qualquer tipo de treinamento, seja ouvindo música, assistindo um bom programa na TV e até jogar uma conversa fora. Se for na academia tem-se ainda a vantagem do assessoramento direto do professor. 

A maioria das esteiras hoje permite velocidade programada de até 20 km/h e uma inclinação de até 15%, o suficiente para agüentar qualquer corredor fundista.

As atenções dos técnicos e atletas se voltaram para esse equipamento quando em 1989 o americano Ken Martin ao terminar em segundo lugar a Maratona de Nova York com o tempo de 2h 09m 34s declarou que parte do seu treinamento de longa distância era realizado na esteira. O mesmo aconteceu com Ingrid Kristiansen (2h21m06s) e Joan Benoit (2h21m21s), nos bons tempos. Benoit, depois de ser submetida a uma artroscopia reiniciou seus treinamentos em esteira pela necessidade de retorno imediato aos treinos em 1974 sem estar apta à atividade com impacto. A esteira foi a grande solução em função do amortecimento de impacto já citado. 

Se você mora numa cidade como Petrópolis, por exemplo, que chove pra caramba, a esteira é mais que um quebra-galho. Imaginem poder cumprir o plano de treinamento, correr e conversar ao lado de outro corredor mais lento e ainda admirar toda aquela gente bonita de academia!! 

Por não estar sob a influência climática externa, principalmente do vento, a troca de calor do corpo com o meio ambiente é dificultada produzindo mais suor. Nesse caso a sudorese é o único mecanismo de refrigeração disponível para o corpo favorecendo o aumento da
freqüência cardíaca. É uma boa idéia manter o corpo hidratado... Muito fácil, né? 

Correr nesses equipamentos, exige alguns cuidados tais como ao parar, não descer imediatamente quando terminar o exercício. É normal as pessoas se sentirem meio tontas porque o equipamento reduzindo o impacto em até 30% faz com que os órgãos sensoriais comandados pelo labirinto, trabalhem com uma informação como se o indivíduo pesasse menos. Além disso, nesse momento, é quando o corpo reorganiza o aporte sangüíneo e isso pode provocar uma tonteira momentânea sem maiores complicações. 

Outra grande vantagem, pegando carona na metodologia do spining, é a possibilidade de simulação de percurso variando a inclinação e a velocidade Só não dá para simular as descidas, mas isso é também uma vantagem porque sabe-se que a descida sobrecarrega muito os músculos posteriores da coxa em função das contrações excêntricas. 

É bom lembrar... A esteira é muito boa, coisa e tal mas para os corredores ela deve ser usada como opção de treinamento. Todas essas vantagens podem viciar deixando o indivíduo menos atento quando voltar para a rua. 

Ao ar livre, as irregularidades do piso desenvolvem um mecanismo reflexo contra as torções e a segurança das esteiras podem diminuir isso. Portanto, o ideal, para quem tem problemas, é treinar durante a semana na esteira e no fim de semana aproveitar a natureza. 

Uma atitude que não costuma dar certo é correr na esteira com pesinho na mão. Segundo as melhores pesquisas o gasto a mais de energia não compensa o prejuízo da biomecânica. É muito mais sensato, no caso, aumentar a velocidade ou a inclinação da esteira. 

Para o pessoal que prefere malhar em casa já existe também no mercado uma infinidade de modelos caseiros. Muitas são até dobráveis ocupando pouco espaço quando estão fora de uso. O importante na hora da escolha é verificar a robustez e a potência do motor. O ideal é que seja acima de 1,5 H.P. mesmo para quem deseja só caminhar. A menos que, você vá fazer dela um cabide como a maioria das bicicletas ergométricas. 

Tá esperando o quê? O coração agradece!!!



Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


comments powered by Disqus

Assine o nosso boletim e saiba quando forem publicados artigos
Seu e-mail aqui:

Oferecido por FeedBurner

Artigos relacionados:
Tendão de Aquiles, estética, freqüência cardíaca
Há diferenças em correr na esteira ergométrica? Quais são suas vantagens e desvantagens?
Correr na Esteira ou na Rua
Unha encravada - Sintomas, o que fazer, tratamento
Chulé ou bromidrose
Treinamento de força na ladeira ou na esteira
Treino de velocidade não precisa ser na pista

Veja também: Esteiras Ergométricas

Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2002 por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br  
Leia mais artigos sobre esporte e saúde no site Notícias do Corpo