Atividade física e uso do cérebro podem regenerar neurônios

Lá pelos idos anos 50 acreditava-se que os neurônios uma vez destruídos não se regeneravam. Além disso, dizia-se que só usávamos 10% do nosso cérebro e ao longo da vida a gente ia perdendo capacidade de raciocínio. Ledo engano. Os neurônios podem se regenerar e normalmente usamos todo o cérebro a vida toda. Claro, desde que se queira usar.

Os pesquisadores descobriram que a atividade física entre tantos hormônios, proteínas e outros produtos bioquímicos estimulados também interfere de forma favorável na produção da neurotrofina, uma proteína responsável pela sobrevivência dos neurônios, comunicação entre eles, suas mudanças adaptativas chamada de plasticidade sináptica e na capacidade de formação de novos neurônios (neurogêse). Em experiência com ratos também descobriram que a neurotrofina se acumula na medula espinhal e nos músculos esqueléticos permanecendo por algumas horas após o exercício. Ficou provado que o crescimento maior acontece justamente nas terminações conhecidas como axônio e dentritos ou conjunto chamado de neuritos.

PUBLICIDADE

Para chegarem a essa conclusão comprimiram o nervo ciático de ratos que se exercitaram durante sete dias consecutivos comparando com ratos sedentários verificando regeneração de mais axônios de nervos ciáticos no grupo fisicamente ativo. Outra descoberta importante foi a de que os ratos que correram por mais tempo a regeneração foi maior. Ou seja, proporcional à distância percorrida. 

Claro, com seres humanos a experiência se faz comparando grupos sedentários com fisicamente ativos especialmente em idosos sabendo que o avanço da idade, entre outras reações pode declinar nas funções cerebrais se não for estimulado. Homens sedentários com mais de 50 anos foram divididos em dois grupos. Ao primeiro foi aplicado um treinamento físico dividido em parte aeróbia de força e flexibilidade enquanto o segundo grupo continuou sedentário. Ao final de 12 semanas foi feito testes de memória e raciocínio lógicos, similares as testes psicotécnicos nos dois grupos e o primeiro obteve melhores desempenhos. Os mesmos testes também foram aplicados antes do início da etapa de treinamento físico.

PUBLICIDADE

Outro estudo semelhante comparou três grupos de idosos. Um estudando e fazendo exercício físico, outro só fazendo exercício e o terceiro não fazendo nada. O melhor desempenho em testes de raciocínio foi o primeiro grupo.

Embora não fosse objeto do estudo ficou comprovado que os dois primeiros grupos diminuíram o consumo de medicamentos. Idosos sedentários costumam consumir medicamentos para pressão arterial, diabetes, dor de cabeça, depressão e muitos outros. Ou seja, é remédio para tudo cujos males o exercício físico tem ação preventiva.

Em outras experiências com indivíduos vítimas de AVC há algum tempo se sabe que parte dos movimentos perdidos pode ser recuperados, mas isso não acontece recuperando os neurônios danificados e sim estimulando o brotamento de axônios nos neurônios vizinhos que passam a exercer funções que antes não eram suas. Hoje existem exames de imagem apurados capazes de mostrar neurônios inervando mais de uma placa motora em pacientes com síndrome amiotrófica por conta do fenômeno chamado de brotamento colateral estimulado com manobras de exercícios fisioterápicos. Fazendo uma analogia com uma planta quando cortamos os galhos (poda) elas voltam a brotar em torno do galho cortado. Entretanto se for cortada no tronco é bem provável que ela morra. Sabe-se que quanto mais movimentos variados, mais estímulos, mais neurônios ativados corroborando a teoria de se praticar vários exercícios diferentes e não apenas uma atividade física não só em benefício de melhorar a estrutura muscular como também as ramificações dos neurônios (dentritos).

A neurociência tenta desvendar o funcionamento do cérebro e a partir do final dos anos 90 deu um grande avanço descobrindo que tal como os músculos se tornam fortes com treinamento físico o cérebro também se torna mais eficiente com o uso experimentando novos desafios de aprendizado, lendo, escrevendo e aprendendo coisas novas. As mesmas pesquisas descobriram que o cérebro pode regredir com o estresse, sedentarismo, hábitos de vida nada saudáveis e leituras fúteis. Basta encher a cabeça com informações inúteis na Internet, algumas redes sociais e programas de televisão especializados em notícias ruins.

Para Refletir: Alguns cérebros pensam, concluem e realizam; outros pensam concluem e não realizam; outros pensam não concluem e não realizam; outros nem se dão o trabalho de pensar. Não servem para nada. (Moraes 2012)

Sobre a Ética: Ética não está na cor dos cabelos, no comprimento nem de quantos fios permanecem grudados no couro cabeludo. Está dentro da cabeça de cada um. (Moraes 2012).

Cartas para: lcmoraes@compuland.com.br - Luiz Carlos de Moraes CREF1 RJ 003529

Saiba mais:
Exercícios Físicos e Depressão
Exercícios físicos e emagrecimento
Exercícios físicos e a saúde dos ossos, massa e densidade óssea
Exercícios físicos contra o pânico
Recomendações para a prática de atividade física
Importância e benefícios da atividade física na saúde
Benefícios da corrida para a saúde
Atividade física regular e controle de peso
Por causa da obesidade pais vão enterrar seus filhos e não terão netos
Controlar o peso é preciso desde que a balança não vire paranóia
Corredor gordinho tem mais saúde que o magrinho sedentário
Elixir da vida longa é fazer exercício, comer pouco e meditar
Exercício físico na terceira idade - Benefícios
Benefícios dos exercícios físicos para idosos
Demência e psicanálise
Atividade física muito democrática e acessível


PUBLICIDADE


Gostou desse artigo? Então você pode recomendá-lo com o Google +1:


Use a busca abaixo para encontrar o que deseja em mais de 5 mil páginas sobre esporte, saúde e bem-estar:

Créditos:
Texto copyright © 2012 por Luiz Carlos de Moraes CREF/1 RJ 003529
lcmoraes@petrobras.com.br | lcmoraes@compuland.com.br